Publicações

Fique por dentro das novidades.

IPM oferece serviço de prova de vida residencial para idosos com dificuldade de locomoção

Publicado em Institucionais á 3 mêses, 29 dias

Idosos atendidos pelo Instituto de Previdência do Município de João Pessoa (IPMJP) contam com a comodidade de fazer a prova de vida na própria residência. O serviço, ofertado para aqueles que não têm mais condições de ir pessoalmente ao Instituto é realizado por quatro assistentes sociais, que de forma coordenada realizam visitas aos aposentados e pensionistas que necessitam renovar o cadastro.

São dois tipos de visitas: as agendadas, realizadas quando o servidor inativo solicita no mês do seu recadastramento, e os retidos, quando passado o período de recadastramento, que é feito no mês de aniversário do aposentado, e ele não realizou e nem solicitou a visita. Só no mês de janeiro, o IPM realizou cerca de 100 visitas, nas duas modalidades.

A pensionista Berenice Freire Pereira, de 82 anos, está impossibilitada de ir ao Instituto realizar a prova de vida, por isso a filha, Mônica Pereira, solicita a visita desde que a mãe não teve mais condições de sair da residência. “Há três anos recebemos a visita da assistente social do IPM para fazer a prova de vida da minha mãe, que é sempre bem assistida. Se não fosse essa visita teríamos muitas dificuldades para levá-la ao IPM”, declarou Mônica Pereira.

Já a pensionista Maria da Luz Silva Gabriel, de 86 anos, teve o benefício liberado após a visita da assistente social Poliane Monteiro, que entrou em contato com a família e fez a prova de vida residencial. A partir de agora, a aposentada ficará no cadastro de visitas agendadas, pois a mesma não tem mais condições de ir pessoalmente ao Instituto.

Para o superintendente do IPM, Roberto Wagner, esse serviço é essencial. “O trabalho realizado pelas assistentes sociais é da máxima importância, pois são elas que lidam diretamente com os servidores inativos auxiliando com um olhar sensível, muitas vezes não só com os problemas referentes ao benefício, mas da vida”, afirmou Roberto Wagner.

1 de 5